Home RECEITAS Nutrição e Saúde 7/4 – Dia Mundial da Saúde: Entenda o Que é Mito ou Verdade Sobre o Glúten

7/4 – Dia Mundial da Saúde: Entenda o Que é Mito ou Verdade Sobre o Glúten

11 min read
0
0
1

7/4 – Dia Mundial da Saúde: Entenda o Que é Mito ou Verdade Sobre o Glúten

Estudo internacional mostra que a retirada de produtos à base de farinhas do cardápio pode levar à deficiência de fibras e outros nutrientes

No próximo dia 7 de abril será comemorado o Dia Mundial da Saúde. A data foi criada em 1948, pela Organização Mundial da Saúde (OMS), com o objetivo de criar campanhas de esclarecimento que ajudem a população na prevenção de doenças. Para lembrar a data, a Finna, marca de farinhas e misturas para bolo da M. Dias Branco, com a ajuda da nutricionista Aretha Magalhães, da consultoria Equilibrium, explica sobre uma proteína que sempre esteve presente em nossas mesas ao longo da história, mas que agora tem sido apontada como “vilã”. “Só precisa tirar o glúten da mesa quem tem intolerância a este nutriente”, diz Aretha.

“De tempos em tempos os “vilões” da alimentação saudável mudam de nome. Um mito atual são as dietas glúten-freepara pessoas que não tenham indicação para isso. A retirada desse componente não faz diferença na saúde de pessoas saudáveis e pode trazer certos riscos, principalmente quando feita sem orientação”, ressalta a nutricionista.

Mas, afinal, o que é o Glúten?

Trata-se de uma proteína formado por uma fração de gliadina e uma de glutenina. Esta proteína é encontrada naturalmente em alguns cereais como trigo, centeio, cevada e aveia. “A aveia não tem glúten, mas, no processo de produção e armazenamento, caso haja o plantio dos outros cereais por perto, acaba apresentando traços do nutriente”, explica Aretha.

Algumas condições de saúde impõem a necessidade da retirada do glúten da dieta. O principal exemplo é a doença celíaca, uma condição autoimune em que glúten é reconhecido como uma ameaça e ocorre lesão da mucosa intestinal, má absorção de nutrientes, diarreia, gases e déficit de crescimento em crianças. Estima-se que no máximo 1% da população sofra de doença celíaca. 

“Atualmente existe uma discussão se o glúten deveria ser retirado em outras situações, como na sensibilidade não celíaca, condição em que não há comprovação da doença celíaca por exames, mas a pessoa sente alguns sintomas desagradáveis ao consumir alimentos ricos em glúten. Estudos têm sido feitos para elucidar essa questão, mas até o momento não há nenhuma diretriz oficial nesse sentido. Portanto, a restrição de glúten não é recomendada para população geral e pode trazer consequências, como restrição de nutrientes”, afirma Aretha.

Por outro lado, retirar pães, massas e outros alimentos à base de farinhas da dieta podem levar a deficiências nutricionais. Um estudo de revisão de 2016 publicado na revista Clinical Nutrition mostrou que dietas sem glúten em geral são pobres em fibras por conta da exclusão dos grãos, vitamina D, vitamina B12, folato e minerais como ferro, zinco, magnésio e cálcio. “Também foi verificado um aumento do consumo de gorduras saturadas e hidrogenadas e carboidrato de alto índice glicêmico, pois os principais substitutos da farinha de trigo como a tapioca, farinha de arroz e polvilho possuem alta carga e índice glicêmico e são pobres em fibras”, ensina a profissional.

Algumas pessoas relatam sentir melhoras na saúde e perda de peso ao cortar alimentos ricos em glúten. Nesse caso, provavelmente, o benefício se dá pela retirada do excesso de carboidratos em geral e normalmente outras mudanças como acrescentar mais vegetais, frutas, reduzir açúcar, por exemplo, e não pelo glúten.

“Essas mudanças são bem-vindas, podem e devem ser feitas. Mas, não é necessário excluir grupos alimentares para isso. E, caso uma restrição seja necessária faça com acompanhamento de um nutricionista”, finaliza Aretha Magalhães.

Veja também:

Aprenda a Evitar Ressacas Com Dicas Saudáveis

Algumas dicas e truques para sua cozinha

Dicas sobre a dieta do mel

Referência do estudo:

Vici G, Belli L, Biondi M, Polzonetti V. Gluten free diet and nutrient deficiencies: A review. Clin Nutr. 2016 Dec;35(6):1236-1241.

Para saber mais informações e para acompanhar todos os conteúdos exclusivos de Finna acesse www.finna.com.br

Fanpage Finna – www.facebook.com/cozinhafinna

Instagram Finna – @cozinhafinna SAC: 0800 702 5509

Sobre a Finna

Líder de mercado no segmento de farinhas no Nordeste, de acordo com a NIELSEN (dezembro/janeiro), a marca Finna pertence ao portfólio de marcas da M. Dias Branco S.A. Indústria e Comércio de Alimentos e atua nas regiões Norte e Nordeste do país. Com o slogan “Finna e você”, a marca produz e comercializa farinhas com e sem fermento, e mistura para bolo tradicional nos sabores chocolate, milho cremoso, laranja, baunilha e brownie.

7/4 – Dia Mundial da Saúde: Entenda o Que é Mito ou Verdade Sobre o Glúten
5 (100%) 1 vote

Deixe uma resposta